Smooch Girls

Como o amor transforma a relação da mulher negra consigo mesma

Instintos

Como resultado, lançamos uma série de entrevistas sobre a importância de se debater cada vez mais as questões raciais no Brasil. Meu primeiro contato mais profundo ocorreu através do livro Virou Regra? Como se aplica neste caso? Sempre em todas as revistas e propagandas, o branco é colocado como o mais bonito. E a gente também tem muito internalizado essa ideia de relacionamento de amor à primeira vista: conheço um estranho e imediatamente me apaixono por ele, como num conto de fadas. Por isso muitas mulheres acreditam que afetividade é somente sobre as decisões masculinas, isto é, mesmo com todas as exceções, eles precisam se ver como os protagonistas do relacionamento. Mas mesmo assim, por exemplo, um casal de dois homens gays — um negro e um branco — certamente, aquele com maior poder simbólico, vai poder tomar as decisões e fazer as escolhas. E infelizmente, muitas mulheres negras vivem neste triste dilema.

Mulheres para 546901

“A mulher negra não é vista como um sujeito para ser amado”

Para a medicina, o sentimento começa no cérebro, quando os neurônios liberam a dopamina, aquele hormônio que deixa as pernas bambas e enche de borboletas o estômago. A gente aprende por quem deve se apaixonar. A tomar, elas revelam as particularidades de sentir, viver e buscar o amor sob a ótica racial. Hoje sei que o branco e o negro podem cometer os mesmos erros.

A cor da relação

Passei a enxergar isso por volta de 13, 14 anos, quando a pessoal se interessa pelos meninos. Todo universo tinha um parzinho, menos eu. Identificava que tinha uma estética diferente daquela que na escola era importante, quanto o cabelo liso, por exemplo. Enfim, essas coisas que, depois de crescido, a gente aprende a relevar. O meu papel, naquela época, era o da amiga que faz a ponte para as outras ficarem na festinha. Os homens mais velhos me notavam mais. Acredito que sempre despertei o apetite sexual deles. É isso que pega na autoestima. Se eu ficasse com alguém, nunca tinha brecha para virar uma coisa a mais.